17 de novembro de 2018

Contato



Sindiserf/RS integra campanha Novembro Azul

Após integrar a campanha Outubro Rosa, sobre o câncer de mama, o Sindicato apoia o Novembro Azul, que tem como objetivo conscientizar a população, especialmente os homens, sobre o Câncer de Próstata. Criada em 2003, a campanha chegou ao Brasil em 2008 e já se tornou referência na missão de orientar a população masculina a […]

Após integrar a campanha Outubro Rosa, sobre o câncer de mama, o Sindicato apoia o Novembro Azul, que tem como objetivo conscientizar a população, especialmente os homens, sobre o Câncer de Próstata. Criada em 2003, a campanha chegou ao Brasil em 2008 e já se tornou referência na missão de orientar a população masculina a cuidar melhor da saúde.

 

Segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a cada ano são registrados 61,2 mil novos casos de câncer de próstata no Brasil. Dados do Ministério da Saúde indicam que 14.484 homens morreram em decorrência da doença no país em 2015. No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma.

 

De acordo com o Inca, o câncer de próstata é considerado um tumor da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. Dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) mostram que 20% dos pacientes são diagnosticados em estágios avançados da doença, o que faz com a taxa de mortalidade chegue a 25% dos pacientes.

 

Prevenção

A campanha alerta os homens para a necessidade de fazer os exames de PSA (Antígeno Prostático Específico) e o toque retal para diagnosticar a doença o mais cedo possível. Isso porque, de modo geral, o tumor é de crescimento lento e tem cerca de 90% de chance de cura quando diagnosticado precocemente. Os exames devem ser solicitados por um médico e, na eventualidade de um diagnóstico positivo, é recomendável procurar um oncologista, que poderá indicar o melhor tratamento.

 

Os sintomas são: sensação de que a bexiga não esvaziou completamente e a vontade de urinar persiste; dificuldade de iniciar a passagem da urina e de interromper o ato de urinar; urinar em gotas ou jatos sucessivos; necessidade de fazer força para manter o jato de urina; necessidade urgente de urinar imediatamente; dor na parte baixa das costas ou na pélvis (abaixo dos testículos); problemas em conseguir ou manter a ereção; sangue na urina ou no esperma (casos muito raros); dor durante a passagem da urina, quando ejacula, nos testículos, na lombar, na bacia ou nos joelhos; sangramento pela uretra e na fase muito avançada, também pode haver dor óssea, sintomas urinários, infecção generalizada ou insuficiência renal.

 

Fonte: Sindiserf/RS com CUT-RS e Agência Brasil